Tecendo a manhã

Eu afirmo a você que isto é verdade: nesta mesma noite, antes que o galo cante duas vezes, você dirá três vezes que não me conhece. Marcos 14:30

Um dos poemas mais bonitos de João Cabral de Melo Neto é “Tecendo a manhã”. Na primeira estrofe, o poeta diz: “Um galo sozinho não tece uma manhã: / ele precisará sempre de outros galos. / De um que apanhe esse grito […] antes / e o lance a outro; e de outros galos / que com muitos outros galos se cruzem / os fios de sol de seus gritos de galo, / para que a manhã, desde uma teia tênue, / se vá tecendo, entre todos os galos.”

Nessa pérola da literatura brasileira, o autor compara o surgimento de um novo dia aos cantos de galos que cortam a madrugada, um após outro, tecendo a claridade do sol à medida que o som de seu canto se intensifica. O principal ensino de Cabral nesse poema é a realidade de que, na vida, não se faz nada sozinho. Dependemos uns dos outros para que o mundo se torne um lugar mais iluminado.

Contudo, em uma quinta-feira escura e fria do ano 31 de nossa era, na Judeia, um “galo” achava que podia cantar sozinho para trazer luz para a própria vida: “Eu nunca abandonarei o senhor, mesmo que todos o abandonem! […] Eu nunca vou dizer que não o conheço, mesmo que eu tenha de morrer com o senhor!”
(Marcos 14:29, 31).

Era assim que Pedro cantava de galo no terreiro dos apóstolos. Seu “grito” influenciou os demais: “E todos os outros discípulos disseram a mesma coisa” (Marcos 14:31). Só quem não se impressionou foi Jesus: “Eu afirmo a você que isto é verdade: nesta mesma noite, antes que o galo cante duas vezes, você dirá três vezes que não me conhece” (Marcos 14:30).

Pedro não deu ouvidos à advertência de Jesus. Talvez por duvidar das previsões catastróficas de Cristo, o apóstolo não preparou o coração para a maior crise de sua vida.

No meio da noite mais escura de sua existência, depois de ver sua expectativa frustrada, de negar o Senhor e de ouvir o galo cantar a segunda vez, “Pedro lembrou que Jesus lhe tinha dito” (Marcos 14:72). Ao escutar o som do galo cortar as trevas de sua negação, “Pedro caiu em si e começou a chorar” (Marcos 14:72), e um novo dia raiou para ele. Como Pedro, ouça hoje o som da esperança soando em seu coração e contemple a nova manhã de oportunidades que Deus está tecendo para você.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *