Sobre o Autor

Morgan Howen

Morgan is an example author of everest news. She has just a dummy image & content. Sedut perspiciatis unde omnis iste natus error sit voluptatem accusantium doloremque

Campanha Sinal Vermelho ajuda mulheres vítimas de violência doméstica

Mulheres em situação de violência são infelizmente uma realidade no Brasil e, em tempos de isolamento, elas enfrentam mais um problema: a dificuldade em denunciar os agressores. Diante desse cenário, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) lançaram, no último dia 10 de junho, a campanha Sinal Vermelho para a Violência Doméstica. A iniciativa tem como foco ajudar mulheres em situação de violência a pedirem ajuda nas farmácias do país.

“O objetivo da campanha é oferecer um canal silencioso, permitindo que essas mulheres se identifiquem nesses locais e, a partir daí, sejam ajudadas e tomadas as devidas soluções. É uma atitude relativamente simples, que exige dois gestos apenas: para a vítima, fazer um X nas mãos; para a farmácia, uma ligação”, disse a coordenadora do Movimento Permanente de Combate à Violência Doméstica do CNJ, conselheira Maria Cristiana Ziouva.

O protocolo é, de fato, simples: com um “X” vermelho na palma da mão, que pode ser feito com caneta ou mesmo um batom, a vítima sinaliza que está em situação de violência. Com o nome e endereço da mulher em mãos, os atendentes das farmácias e drogarias que aderirem à campanha deverão ligar, imediatamente, para o 190 e reportar a situação. O projeto conta com a parceria de 10 mil farmácias e drogarias em todo o país.

A criação da campanha é o primeiro resultado prático do grupo de trabalho criado pelo CNJ para elaborar estudos e ações emergenciais voltados a ajudar as vítimas de violência doméstica durante a fase do isolamento social. O grupo foi criado pela Portaria nº 70/2020, após a confirmação do aumento dos casos registrados contra a mulher durante a quarentena, determinada em todo o mundo como forma de evitar a transmissão do novo coronavírus. Em março e abril, o índice de feminicídio cresceu 22,2%, de acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Onde denunciar

Além das redes de farmácias que já aderiram à campanha (confira aqui a lista) no Estado de São Paulo, saiba onde mais pedir ajuda.

• Polícia Militar – 190

• Central de Atendimento à Mulher – 180

• E-mail: ligue180@mdh.gov.br

• Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos

• Aplicativo “Proteja Brasil“

• Corpo de Bombeiros – 193

• Polícia Civil – atendimento presencial ou online

• Tribunal de Justiça de São Paulo – Comesp | Carta de Mulheres

• Ministério Público | Gevid

• Defensoria Pública | Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos das Mulheres

• Delegacias de Defesa da Mulher

• OAB-SP

Por Portal Bueno

Venceslau Editor

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com