Japão irá obrigar que bolsas de criptomoedas reforcem fiscalização interna, diz fonte

TÓQUIO (Reuters) – O órgão regulador financeiro do Japão exigirá que os sites de negociação de criptomoedas fortaleçam a fiscalização interna das chamadas “carteiras frias”, usadas para armazenar dinheiro digital, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto à Reuters nesta terça-feira.

O movimento da Agência de Serviços Financeiros (FSA, na sigla em inglês) destaca as dificuldades em garantir a segurança das moedas virtuais, bem como os riscos mais amplos para o Japão, conforme busca alavancar o setor de fintech para estimular o crescimento econômico.

Após uma série de lapsos de segurança no ano passado, a FSA restringiu o uso de “carteiras quentes” menos seguras – onde as moedas virtuais são armazenadas em plataformas diretamente conectadas à internet – levando as bolsas a migrar para as carteiras frias, dispositivos de armazenamento não conectado à internet e, portanto, mais seguro.

Mas a FSA desde então determinou que há riscos de roubo interno, mesmo com as carteiras frias, disse a fonte. Algumas bolsas falharam em ter regras onde a pessoa responsável pelo armazenamento seria rotacionada regularmente, disse a fonte, recusando-se a ser identificada porque a informação ainda não foi divulgada.

Existem 19 plataformas de negociação de criptomoedas registradas no Japão, embora isso inclua algumas que ainda não estão operacionais.

A FSA ordenará que as plataformas que considera terem falhas que melhorem a segurança, disse a fonte. A FSA não respondeu a um pedido de comentário.

Por Takahiko Wada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *